Ocorreu um erro neste gadget

Advertência!

O conteúdo deste blog pode, literalmente, projetar você para algum lugar no tempo-espaço...

Translate

14 dezembro 2005

Amor - Guia de Corações Cegos



O amor é como um guia em tempos de corações cegos, ele que movimenta as galáxias misteriosas de nossas bocas num sorriso largo, afago da alma.
Ele nos fortalece, e nos faz fortalezas, cria e recria os cálidos beijos, as compulsivas demonstrações de gostar, de querer... A menor distância entre dois corações.
Eis o amor, simples, imparcial e resmungão, insistente e persistente, e quando tentamos nos encontrar, ele já esta ali a nossa espera...
Ele nos faz falar de nossas sentimentalidades, ele nos conjuga a seu modo, nos governa às ações, e nos guia através da noite eclipsada... Por vezes nos tornamos seres bem mais completos que imaginávamos ser um dia, bem mais ternos e suportavelmente fortes.
O amor meu jovem, corteja a si mesmo, conta estrelas no céu e ainda escolhe uma pra darmos de presente. É uma parte de nós doada, não por nós, doada por ele mesmo.
Eis o amor: sopro de todas as luzes ao coração

24 novembro 2005

Linhas de expressão



Recordava-se agora que era velho, era velho mas sua mente era jovem, ali sentado ao banco de uma praça qualquer, entretido com o vai e vem das pessoas, olhar eclipsado, calmo, terno como um cervo, terno como o brilho de um espelho d´água plácido... Lembrou-se do tempo em que temia a vida e o futuro, lembrou-se das incertezas dissolvidas com o passar do tempo, dos anos... Estava amadurecido, entendia agora o sentido das coisas que o cercava, diferentes mas seguindo um mesmo princípio.
Quase não fumava, mantinha estendido nos dedos o cigarro como algo ilustrativo, sua presença era o bastante, num desses momentos em que nossas mentes viajam em pensamentos felizes, fumar era o que menos importava... Lembranças, ahh as belas lembranças, todos nós as temos guardadas em nossas mentes. Certas vezes esquecemos delas, outras vezes são apagadas pelas dores. Esse velho senhor sentado ao banco estava mais radiante que de costume, a vida o ensinou que a sincronia “homem e tempo” só se torna absoluta quando a idade avança, é uma forma natural de compensar a perda de um ritmo cósmico e físico mundano, o tempo não, este não se sabe nem se estabelece idade, então decidiu ser como o tempo, ser implacável e forte, decidiu viver eternamente como ele nas cabeças de quem lhe foi próximo e íntimo.
Cada ruga – pensava – valia a pena, cada dobra, cada expressão, cada falha momentânea de memória, almoçar com uma colher das de chá?¹, cada segundo pausado por recordações, cada dor lombar e tosse insistente... Mais insistente era ele, ancião saudosista e não melancólico... Melancólico apenas quando chovia à noite. Plantar árvores?² Mais valia plantar alegrias nos corações humanos, pensava ele. Seis da tarde, hora de voltar pra casa e no caminho, a padaria o esperava como um velho amigo imortal.

¹ Quando se vai fazer uma refeição e escolhemos na gaveta, os talheres errados por algum motivo desconhecido.

² Referência ao ditado no qual se diz que um homem antes de falecer, deve: ter um filho, escrever um livro e plantar uma árvore.

11 novembro 2005

Surreal



Um raio de luz me trouxe aqui, 2 segundos antes de mim mesmo e quando nos encontramos, eu e meu corpo, tive esta visão:
Vi uma torre imensa, feita de soluços e hesitação, pendia para os dois lados ao mesmo tempo, havia uma parte de esperança e comunhão que estava fixa como rocha, untada com uma liga de amizade que não se vende mais em potes como antigamente... Uma legião de anjos e pessoas normais conduzia um arado faraônico abrindo uma rastro na terra pra poderem sujar os pés com natureza de verdade, neste momento começam a rolar gotas das lágrimas de um dragão sentimental, todos o chamam pelo nome mas ele se sente rejeitado em sua caverna escura, trazem lhe uma vela branca de 7 dias mas ele explica que sua semana dura 1 século... Trazem-lhe um feixe de néon e ele explica que não enxerga o lilás, agora trazem-lhe todas as cores e o dragão sorrindo aquece seus corações... Todos em volta da vila pisam a terra, pés de pisar em Marte, sorrisos de elfos mortais, as gotas agora caem pra cima, molham o meu queixo. Enquanto isso desce da montanha de grama um velho tuareg com asas de Ícaro e um manual com letras escritas em punho de "Como levantar do chão estrelas cadentes". Eu continuo na minha escrivaninha imaginária com cadeira de gesso frágil escrevendo e escrevendo, a água retorna às nuvens e as nuvens retornam ao sopro mágico de algum Deus, que ficou compadecido com o pedido de um velho índio, que ficou comovido com a dor de um sertanejo que não tem avião de fazer chover, nem erva de fazer sorrir. Visto de cima o lago abaixo de meus pés parece um espelho, surgem bolhas, agora as bolhas descem para o fundo, alquimistas regam experimentos com estas águas e em tudo vemos água, líquido da vida... Em destilações fracionadas separam amor de ciúmes, ódio de paixão , felicidade de tristezas, dor de prazer e nada mais será confuso, a dúvida é só mera ilusão. Papiros nas mãos caminho eu até o raio que me esperava com a velocidade da própria luz, impaciente, discutia levemente com um sujeito chamado Escuridão que tentava sentar no seu lugar. Acordei com os pés no travesseiro e com a cabeça num mundo chamado de lua.

31 outubro 2005

Conselho de Amigo



Se eu tivesse que dar-te um conselho eu diria: “Seja racionalmente sincero”;
Costumamos causar dor a quem nos é próximo e íntimo, julgamos que o peso de nossas palavras recai como pena aos ouvidos alheios... no mínimo cócegas estas fariam se em verdade não fossem pesadas como chumbo.
Porque não somos sinceros sempre e sim, somos sinceros quando queremos ser.
Porque não somos sinceros com nós mesmos e sim, sinceros quando apontamos para o lado.
Se eu pudesse dar-te um conselho, diria “pare de queixar-se”;
Seu fardo não é maior que a força que tens em carregá-lo, muitos dos nossos problemas são germens de nossos “trigos” mal colhidos, são frutos dos nossos defeitos mal tolhidos e como conseqüência nos causam desventura. Tristes as, tristezas vãs, tudo passará através de nossos olhos atentos, escorrerá entre os dedos, virará pó e esquecimento. Antes disso o sofrimento será opcional como num kit compre 2 e leve 3 de supermercado.
Se eu pudesse dar-te um conselho, diria: “Não queira impressionar”;
Impressione-se primeiro, a admiração vem quando nos tornamos nós mesmos, espontaneamente, livres de engodos e artificialidades, o mundo nos ouvirá mesmo em silêncio profundo.
Se eu pudesse dar-te um conselho, diria que conselhos são travas de segurança doadas por amigos para desavisados temporariamente: daltônicos cegos, maestros surdos, mestres mudos e tímidos sinestésicos.

06 outubro 2005

Galápagos




Quero ser livre como um pássaro, não um pássaro qualquer, quero ser impávido, cheio de galhardias e exuberância, quero pairar no ar de minhas conquistas, quero alçar vôo nas maiores alturas inexploradas, quero que o Boeing tenha inveja de mim, eu seria meu próprio passageiro, sim seria bom!
Mas o peso que recai sobre mim e tão colossal que visto minhas pequenas proporções não lhe guardo rancor, antes o condor voasse mais baixo! Assim ele poderia me avisar quando eu estivesse distraído de mim mesmo, e neste pequeno instante, neste lapso de consciência momentâneo, eu aproveitaria pra sonhar... Sonhar com novos ares, verdes piteridófitas, imensas angiminiospermas dando frutos, e elas dão frutos? Não lembro! que seja, uma floresta intocada cheia de reflexo da terra... Um garoto pouco falante vem soprar meu alpiste, mal sabe ele que também sei fazer isso, é só um segredo que nós cacatuas guardamos dos outros seres, conheço algumas palavras do seu vocabulário, mas ele ignora todas do meu. Só agora lembro que vivo num viveiro, acho que os caracóis são mais felizes, um pouco lentos mas felizes... Esse som de walkman me lembra o tempo que vivia no zoo.
Hoje sou um passaro bicho de cidade que sonha morar em Galápagos, vendo os comerciais da tv, hoje afasto-me dos raios de sol pois julgo que estes me causam mal as penas alvas, preocupo-me com o efeito estufa, preocupo-me com a criminalidade, meu Deus estão traficando animais em tubos de pvc! tenho claustrofobia!! quem dera fosse criado por um monge tibetano, ou minha imagem fosse símbolo de bandeiras como a de Papua-nova-guiné. Acho-me uma ave frustrada, queria ter nascido em outra época, sem viveiros cativos, até hoje espero que paguem o meu resgate, não entendo, eu era rico e livre, livre como o velho índio cherokee que criou meu tataravô, hoje sou velho como a linda ilha de Galápagos.

12 setembro 2005

Éramos dois

Com o olhar de quem não conhece a vida eu via o mundo despertar igual sem se repetir. Minha irmã e eu éramos companheiros na ida para a escola e na volta. Naquela época ainda não tínhamos outros irmãos, por isso éramos mais próximos, eu a ajudava a arrumar a casinha da Barbie dela e ela me ajudava a recortar e colar as pipas que eu fazia. Quando eu acordava com sede de madrugada ela sempre me acompanhava até a cozinha, então o Bicho-papão ficava quieto e nem aparecia, pois, não sabia bem eu como, mas parece que ele tinha medo dela ao invés dela ter dele. Foi ela quem me ensinou que Bichos-papões não podem nada quando nos enrolamos com o cobertor que as mães lavam. Hoje ela cresceu e os Bichos-papões de quando éramos anjos agora tornaram-se mais numerosos, alguns deles parecem não temerem a nada e nem a ninguém, sorte que agora eu não tenho mais medo deles...eu conheço Deus.
Não deixe que as coisas passem muito rápidas a ponto de não aproveitar o que há de melhor em tudo. Por mais que difícil seja as acompanhe...algumas pessoas e coisas fazem mais falta do que imaginamos.

28 agosto 2005

Para minha amiga Carol

Uma página em branco é toda a oportunidade de ser criada nela um universo qualquer, uma alegria espontânea específica, um olhar para o horizonte, uma gota que cai na testa... será que vai chover? chuva de lágrimas? não! a tristeza adormeceu ternamente em tua alma, fez sentido o raio concêntrico de luz surgindo em silêncio até emitir sons ao coração, nas batidas arritmadas de um inepto e novo coração.A melancolia é a mais surda entonação de voz presa, até o próprio eco recebe de volta uma resposta... é natural que a chuva precipite da cinzenta nuvem que formava aquela figura no céu porém, lágrimas não são tão naturais quando se está gotejando lembranças, cometas passam pelo escuro do teu quarto e não percebes, estrelas cadentes cintilam, um curioso truque do tempo... imperceptível motivação nas coisas, sorriso escasso até romper-se o casulo que estas formas nas nuvens cristalizaram. Despertando para uma expressão no olhar antes nunca vista, um emanar de sentidos que encontram reciprocidade extraordinária e uma nova forma... mais bela, mais concisa, mais eterna.

14 julho 2005

Mosca Noturna


Posted by Hello

Uma mosca noturna pousa em meu braço
Livre do abraço de alguém
Pousa em minha alma
Repousa em cansaço
Repousa com calma
Espanto-lhe o bem

Vagando a noite entre o espaço
Voando com ânimo escasso
Deseja o contato porém
Não é bela nem voa em compasso
Não a permitem sentir o melaço
É rejeitada e morta também

A boca do copo é o que resta
Da porta o que sobra é uma aresta
A beirada da mesa, a beira do abismo
Se tivesse boca emboçaria um sorriso
Se um doce a convidasse pra festa

Império de gigantes e feras
Veneno em pequenas esferas
A mão de ferro, a espreita
As jacas transmitem suspeita

Plantas carnívoras, aranhas
Sapos, lagartos, louva-a-deus
Adeus mundo cruel, adeus às sopas
Camaleões, não comem leões
Comem moscas
Nossas conhecidas toscas
Que gostam de mel

Mas o amor não as sufoca
Sangue, suor e lágrimas
Não são fluidos de mosca
Não se preocupam com rimas

Elas nos acham lentos
Mesmo com tantos talentos
Tantos sentimentos
Moscas não choram por dentro...

06 julho 2005

O Circo


Posted by Hello

O circo chama pra brincar, não mais o "pão e circo" mas, o novo e antigo espetáculo da terra estende suas lonas para o encantamento geral - de uma platéia maravilhada com as cores, as luzes e talento que vai do palhaço ao domador de tigres - Emoções voam com os saltos mortais dos trapesistas, o mágico retira da cartola a íris incrédula das crianças pois o coelho, mais branco que a neve, surge no ar. O atirador de facas, de olhos vendados por um lenço negro, lança quase que todas elas nos corações do público nervoso e apreensivo, que as teme mais do que a própria moça atada ao círculo. A Pipoca e o algodão-doce permanece na metade da distância entre a embalagem e a boca quando o engolidor de espadas faz seu número inacreditável e depois cospe fogo em labaredas flamejantes... alguém a 2 metros, tira uma fotografia na qual aparece você e sua família sorrindo,e ela é revelada na saída do grande show. Depois de vários dias o rei da magia baixa suas lonas e retira o picadeiro de cena, entra a viajar por todo o mundo deixando saudades a quem viu de perto sua fabulosa essência... talvez um dia ele volte, talvez as coisas estejam diferentes quando ele voltar, e você não sinta mas seu velho coração bater como antes... a felicidade é um velho circo cheio em todas as suas cadeiras, a vida são os artistas que se apresentam no picadeiro e vc é o espectador naquela antiga fotografia com marca de sorriso que talvez tenha se esquecido de sorrir nesses dias nublados, palhaços que sabem chorar te convidam com outro ingresso todos os dias, todos os dias...

21 maio 2005

Adormecido


Posted by Hello

O tempo... Este ser voraz e implacável, pode transformar tudo ao teu redor, um dia você ficará impressionado com a máquina do tempo, este operário de atividade silenciosa e constante, que muda os móveis de lugar, muda a posição da sua cama, enquanto você está dormindo... Acordará e dará falta daquela foto que existia num porta-retrato qualquer, tentará recordar-se da última vez que disse "eu te amo" ou quando foi que tremulamente, com o coração agitado, não acreditava que aprendera a equilibrar-se sozinho na bicicleta...esquecerá alguns momentos de sua vida pra sempre,pra nunca mais... O próprio tempo apaga o tempo. Cantigas de ninar, cantigas em rodas na escola, tudo desaparece sem que você dê falta de nada, sem perceber. Dentro da noite eclipsada este que escorre em ampulhetas de areia por séculos, este que era medido pelo sol, movimentando engrenagens e ponteiros precisos te torna frágil, some com aquela xícara, uma camiseta que você adorava, o teu amigo que faleceu cedo como a tarde, o cachorro de estimação que lambia teu nariz enquanto era vivo... Músicas e canções que não tocam mais nas rádios, o passado.
Um dia não encontrarás mais nada nesta casa, só ruínas, lembranças, silenciosamente o tempo vai consumindo sua juventude e pode te pregar a maior das peças, a saudade de algo que você nunca viveu, a saudade de uma vida diferente, sentirá não sua vida em branco e sim, sua vida mal formada, faltando algo..."o que se move e o que nunca vai se mover". Quando não se acompanha o tempo, fica-se pra trás, estagnado, parado no tempo, a mente não interpreta a queima de etapas, o ego não quer seguir adiante até que a experiência não sentida torne-se real... Existe um limite suportável de sonhos não realizados, e a não realização de sonhos é a não realização da própria vida. Mecanismos adolescentes vêm a tona, é evidente pra todos, menos você, que algo está errado, totalmente fora de foco, você não percebe, mas estão todos incomodados com este contraste, irritados,loucos pra te sacudir o corpo, acorde! Ninguém acredita em seu sucesso, a vida não espera, ganha quem chegar primeiro. Estavas dormindo, não escutou o despertador tocar, estás atrasado, não viu o raiar do sol com pássaros cantando... Acordas agora sem a escova de dentes, sem a toalha pro banho, sem a roupa limpa, terá que fazer seu próprio café,e a vida não espera, e o tempo não espera.
Ao mesmo tempo, não é qualquer assunto que você quer conversar, não é qualquer música que você gostaria de ouvir, pessoas são escolhidas a dedo, você se tornou velho num corpo de um jovem, deixe o seu corpo dizer isto.
O sagaz ilusionista te enganou ternamente, e como no despertar de um encantamento você abre os olhos e se depara com sua ilusão e com o que há pra ser feito, enganado, perdido, angustiado. Isso não combina mais com você, deixe o seu corpo falar isso.



05 maio 2005

Fios Elétricos


Posted by Hello


Quando criança eu gostava de observar fios elétricos. Pela estrada, através do carro, gostava de ver as torres altas com muitos cabos chegando e partindo por seus braços, eram para mim gigantes de seis braços... Enormes, fazendo esforço para mantê-los ligeiramente esticados... Reflexos da falta de um modelo idealizado de pais que pudessem me contar histórias antes de dormir, idealizados, pois meus pais não eram desse tipo... fios sem fim, riscando o céu. Quando a paisagem tornava-se monótona, procurava os postes próximos a estrada.
Quando olhamos para um “fio de energia” e mantemos o olhar fixo, ele sobe e desce com o passar dos postes... segue seu caminho, não importa para onde estão indo, ao tocar os olhos eles sempre te seguem para onde você for. Adiante somem por trás das árvores, passa a ponte, passam as montanhas, o lavrador com seu arado e sua plantação de milho, passam as nuvens, súbito eles retornam e você pode observar novamente o caminho que percorrem.
Dia e noite, sol e chuva e eles continuam ali, anos a fio, anos... você se casa e seus filhos os observam em silêncio, seria o segredo de uma mesma fantasia?
Passam os carros e o tempo e os gigantes continuam lá, de pé, seus fios cruzam o mundo pra chegar onde quer que possamos ir. Surgem alguns tão altos, vindos de hidroelétricas com sinalizadores para aviões descuidados, confundem-se como teias de desbravamento humano tecendo o dia.
Toda a minha vida eu os vi dessa forma terna e fantástica... e nunca dividi se quer uma fração destes pensamentos com outro alguém. Uma forma particular de ver as coisas mais simples talvez seja uma forma única, mas talvez, talvez existam centenas de pessoas no mundo que consigam animar fios de cobre ao dar-lhes vida, pois talvez nada na nesta vida seja inanimado.

06 abril 2005

Take a look around


Paisagem local, (by Jean) Posted by Hello


"É incrível as coisas que perdemos quando não percebermos a beleza latente das coisas, quando pensamos em nosso universo restrito, quando pensamos no amor ou quando simplesmente observamos o estofado do carro sem nos dar conta do que está lá fora, do que está à vista, quando era pequeno sempre me diziam pra olhar pro horizonte quando ficasse enjoado,olhar pro horizonte pra não vomitar no estofado...acho que peguei a mania..."
20/11/2004

29 março 2005

Versão baiana, brazuca e pessoal do "sunscreen"


Posted by Hello

Ouça a música que te faz feliz
escreva cartas de amor
assista antigos desenhos animados, anime sua vida
veja o céu
pague pra ver
dance,imagine
repita seu nome em voz alta
fale "eu te amo" no ouvido do(a) amado(a)
olhe as pessoas nos olhos
nunca hesite, "a dúvida é o preço da pureza"
supere-se
aumente o volume
conserte o que estiver errado
leia,leia muito
aperto de mãos deve ser realmente apertado
tenha firmeza
encare a poesia de frente
dicionários e enciclopédias serão os seus melhores intérpretes
entenda o próximo
entenda a vida e a vida será mais fácil
aumente o volume mais um ponto
grave o nome das pessoas, se preciso faça rimas
ser lembrado pelo nome é um belo presente
ser lembrado com conhecido de terceiros é pior do que ser um total desconhecido
seja insistente, persistente e não perecível
mude de idéia quantas vezes for necessário
porém não seja um mutante mental
nunca ache que só você sabe a solução dos seus problemas
nunca ache que só você é humano
quebre essa corrente
Pense, vá além dos 10%
creia em Deus
acredite em você
benguie esta cabeça
prazer é fruto de sacrifício
acredite, você sabe e sempre soube o que deve mudar para ser feliz
você sempre sabe qual a melhor decisão
sempre soube
Estar confuso é como nitro, não abuse muito
você tem o poder de mudar
felicidade é fruto de sacrifício
nada é de graça
seja humilde, organize-se
faça seiri
tudo está associado a um contexto, a um tempo e espaço
vários pontos de vista, vários mundos diferentes
aprenda a conviver com as diferenças, aprenda a ser óbvio
trabalhe pra você mesmo
enxergue as pessoas pelo seu respectivo caráter
pois ele é o único dom humano que nunca poderá ser comprado intácto
saiba que as boas pessoas gostam de animais e crianças
saiba que animais e crianças adoram as boas pessoas
hiberne suas mágoas
esteriótipos podam as pessoas, as limitam a beira da injustiça
cigarros possuem pequenos aros de pólvora que evitam que eles se apaguem
indústrias de cigarro não acham interessante que eles se apaguem
drogas preenchem bem a mente dos covardes e inúteis
vários dos grandes astros do rock morreram de overdose ou suicídio
muito menos de 10%, muita fraqueza
as maiores verdades são proferidas independentemente de sua opinião
as maiores verdades são proferidas independentemente de sua aceitação
viva com o amor a tiracolo, ao alcance das mãos
seja flexível
ouça aquela música quantas vezes quiser
a cada dia você tem uma segunda chance
toda semana começa com uma segunda-feira
não a odeie
tudo tem um começo, um meio e um fim
tudo tem explicação mesmo que você não acredite nela
ser feliz é mais fácil do que parece
aumente mais o volume...

28 março 2005

Ensaio


Posted by Hello

"Jacob agora volta pra casa com a transformação mais contundente de sua existência, incisiva transformação, aguda, começou a pensar em tudo ao seu redor, no seu emprego, no seu contrato de aluguel, na forma gentil de bom Samaritano com a qual tratava as pessoas, viu que tinha que aprender rápido, sentiu o vento de forma diferente,o sol o agredia, outdoors, poluição sonora, gritos na rua. Viu um velho nas escadarias do prédio da prefeitura, olhar baixo, mirando os degraus, toda a experiência do mundo não lhe valia de nada agora,os cabos do elevador estavam sendo trocados... sua mente estava fechada para manutenção, seus neurônios estavam se reorganizando de forma mais racional. Não sentiu pena do velho, encarou como um processo natural pelo qual também deveria passar no futuro. Não sentia pena de nada, andava com um olhar superior de quem descobriu a origem de tudo, olhar de quem entendia a natureza humana através de equações espalhadas pelo ar. Como alguém que entende o motivo de tudo Jacob, depois de ter visto aquele velho, atentou para o fato da efemeridade de sua vida fútil. Postou-se a frente do primeiro caixa eletrônico que viu e sacou muito dinheiro, sentiu o poder abstrato mas real de um pedaço de papel num mundo moderno, real e abstrato. Antes que se formassem linhas de expressão em seu rosto ele deveria sugar o tempo, gastar toda a quota disponível, foi então que Jacob passou a gastar o suado dinheiro que equilibrava sua conta bancária, cheques e cartões de crédito foram sendo usados como se fossem goles de um copo com água no deserto".

*Parte beta de um projeto meu, assim de cara n dá pra entender muito mas essa é a intenção rsrsrs

13 março 2005

Sobre o Amor


Superfície de Marte (Mars Orbiter Camera)

*Havia um tempo em que eu não enxergava sentido nas estrelas, não entendia o motivo pelo qual milhões de pessoas as observam lá no céu, não entendia por que quase todo filme traz um caso de amor e romance, quase toda música fala de amor, todo grande artista consagrado fala de amor,Jesus pregou o amor, toda religião prega o amor,o mundo respira e move-se através dele,as folhas caem pela vontade e amor de Deus,sempre repetimos "pelo amor de Deus!" é o princípio de tudo... talvez eu não entendesse o amor, não o sentisse em meu coração, em minha corrente sanguínea, dentro de meus neurônios, pulsando em íons, ele não estimulava sua presença indecifrável, havia mais vazio e abismo em mim do que a ponte do amor que ignora a gravidade e profundidade daquilo que não é positivo nem luz. Depois notamos que não precisamos mais de pontes, criamos asas e o amor nos faz criaturas aladas, o feio torna-se bonito, o complicado torna-se simples, o difuso muda para o claro e óbvio,o impossível torna-se rotineiro, cotidiano...tudo transfigura-se, toma uma forma para melhor. Onde eu estava todo esse tempo? por onde eu andava, que nunca fora apresentado a este ser abstrato anteriormente? sem sua presença, sem as suas modificações, sem o apelo singelo de tamanhas sentimentalidades que sinto hoje. Quando ouvimos a voz de quem amamos, quando sentimos que ela se aproxima, nossos sentidos transbordam e a falta que o amado(a) causaria em nós (dada uma separação) seria o fim do nosso mundo em particular. Astros e universo,nada é maior que o nosso amor, nada é mais belo e humano... hoje consigo ouvir uma música romântica sem torcer o nariz, entendi finalmente que não é a música em si, e sim, quem ela nos faz lembrar, casos e mais casos, paixões, amores e provas de amor. Quem de nós nunca amou... certamente amará, isto é "líquido e certo". Um dia o amor bateu a minha porta e eu a abri, tomou conta da casa, fez moradia, pintou aquelas paredes cinzas com uma cor anil e élfica, mandou mensagens de testemunho pelos ventos e me falou com voz terna: " Assim seja, como do primeiro ser ao último que virá, eis o que te faz igual aos admiráveis anjos, eis o amor, passageiro ou pra toda a vida, que seja pra toda a vida..." inépto a princípio, admirável em sua plenitude, assim reaprendemos que este dom está em nossa natureza. Infinito é o amor, sopro de todas as luzes ao coração.

16 fevereiro 2005

Absurdos me fariam feliz

Dos Margaritas
Composição: Bi Ribeiro/herbert Vianna

Fazer um desenho nas costas da mão
Despir a consciência das dores morais
Jogar uma vaca do décimo andar
Viajar sob a lua que varre os sertões
Uma ostra chilena, um beijo em Paris
Se cortasse o cabelo e mudasse o nariz
Se Vital escrevesse a constituição
Se eu nunca quisesse quem nunca me quis
Ser dois e ser dez e ainda ser um
Se a vingança apagasse a dor que eu senti
Ser seco, ser reto, isento, amoral
Se eu nunca lembrasse o estrago que eu fiz
Tudo isso me faria feliz
Absurdos me fariam feliz
Pero nada me hará tan feliz
Como dos margaritas

30 janeiro 2005

Sobre Fotologs & Personagens Fantásticas


Posted by Hello

*Eu vejo sempre fotos alegres, vejo sempre esse mundo pintado de anil, algo lindo, um toque de perfeição... Mas eu me sinto estranho, talvez eu n viva neste mesmo mundo, talvez minha câmera capte algo diferente, “So far away”, as mudanças são evidentes e o mundo revela-se distante de seu ideal pra mim. Algo que ainda não foi dito, algo que ainda não aconteceu surge de uma visão anterior... É possível que a chuva precipite antes das nuvens se formarem? É possível ver o sol antes da terra girar até este ponto? Talvez não tenha ânimo pra observar de onde vem tantos sorrisos, acho que meu estoque de admiração e surpresa se extinguiu, o vento das mudanças secou essas gotas na superfície de minha alma, minhas fotos carregam um toque de tristeza, minha vida não é perfeita.
A chuva cai e meus amigos tomam rumos diferentes, o líquen surge nas pedras, permanece por eras, eu nunca aprendi a cantar então como poderei espantar meus males? Possuo talentos que desconheço, tenho um futuro que ainda não conheço... Quem de nós nunca escutou atrás das portas da dúvida? É... Infelicidade nunca trará sorrisos de volta, é um bumerangue que nunca retorna, é a figura do cachorro que nunca traz de volta aquela bola, aquele sentimento. “Favoritamos” a beleza e a sensualidade, adicionamos estilos, idéias, poses e credos, copiamos as atitudes e adoramos ser diferentes, misturamos tudo numa centrífuga alada e espalhamos a tinta desse mundinho feliz por toda a parte, aos muros e vitrines de nossa vaidade - “E o que é a vaidade Fábio?” porém não enveredarei minha melancolia por essa direção – em suma: Alguns de nós são parecidos e outros totalmente diferentes, existem mundos diferentes e paralelos, paralelas que nunca se cruzam. Muros altos, maré arredia e recifes de corais separando correntes, quentes e frias, noite e dia... A identificação é o que nos aproxima e a vaidade é o que nos separa. Falar o que quase ninguém procura ouvir é estranho por esse motivo, fica faltando aquele sorriso, falta o chão, perde-se o mundinho num final feliz, perde-se seis cores e cria-se um arco-íris monocromático.

23 janeiro 2005

Viver... agora?



Em mais um devaneio de pensamentos, destes que vem quarta-feira à noite, quando você esta sozinho, olhando o teto, e imaginando naquela profundidade branca, sobrepor estrelas, minha mente inicia a pensar sobre o passado, os amigos, os amores, a vida se mostra como um livro aberto. Imagine um livro grande, já aberto, no qual você não vê a capa, mas apenas as folhas que aparecem, e que estas tem inúmeras letras e palavras, a maioria você não entende, acha que são letras que só os anjos poderiam pronunciar... mas você consegue ver algumas palavras que entende, e decifra algumas frases...
Talvez eu esteja complicando muito para dizer algo tão simples, mas a verdade é que às vezes, e realmente poucas vezes no corre-corre do dia-a-dia, você consegue elucidar alguns fatos de sua vida.
Eu comecei a ver como antes de assumir certas responsabilidades a vida tinha um gosto diferente. Não sei... talvez seja um pouco de melancolia (ou muita!), mas a verdade é que me vi, quando mais novo, jogando futebol em um campo aqui perto de casa. Cercado de amigos, rindo como nunca, e exaustivamente cansado de tanto correr, gritar, e rir... Exausto aqui, não sendo uma coisa ruim, mas um cansaço no qual você se sente satisfeito, entende?
Puxa, que sensação...!!
Depois disso iniciei a raciocinar como tudo mudou, como cada um daqueles amigos dali mudaram, como o campo mudou, como eu mudei!
Me lembrei que um dias deste me peguei pensando que deveria me cuidar mais, e acordar mais cedo, ir correr nas avenidas...
É estranho...antes estava cercado de um povo, e agora planejo correr sozinho...
Talvez eu não esteja fazendo o nexo correto de uma coisa com a outra, contudo, como mudam-se as coisas!
Não estou querendo dizer que perdi esses amigos, ou que abandonei a eles...
Na verdade não culpo ninguém, nem a mim mesmo....
O tempo que não perdoa... Cada um foi para seu canto, viver feliz de outras formas, assumir as responsabilidades que a vida impõe, e nisto tudo eu também me encaixo.
É, mas sinto falta.... Agora sei mais ou menos o significado daquela frase da musica do Cidade Negra: "Viva sempre, aproveite o momento." Devia-se colocar como matéria curricular das crianças, para tornarem-se adultos que não apenas escutariam a frase e ficariam quietos. Utilizariam esta como regra.
E você, não se lembra destes momentos? Então? Porque escuta a frase e não reage? Eu vou tentar, prometo!

17 janeiro 2005

Letras...

Posted by Hello




A Conquista do Espelho
(Humberto Gessinger)

eu roubei esses versos
como quem rouba pão
com a mão urgente
com urgência no coração
eu contei stórias
inventei vitórias
como quem tem preguiça
como quem faz justiça
com as próprias mãos

eu roubei quase tudo que eu tenho
só pra chamar a atenção
e, quando cheguei em casa
vi que lá morava um ladrão
eu perdi quase tudo que eu tinha
a paz
a paciência
a urgência que me levava pela mão

uma noite interminável
numa cela escura
!!! sentido !!!
... senhores...
censores sem poder de censura
o ruído dos motores
numa sala de torturas
.... senhoras & senhores...
censores sem talento sensorial

nunca mais saiu da minha boca
o gosto amargo da palavra traição
nunca mais saiu da minha boca
nenhum elogio a nenhuma paixão

uma noite mal dormida
um país em maus lençóis
sem sono
sem censura
100% de nada não é nada:
é muito pouco

sem sono
sem censura
100% de nada não é nada:
é muito pouco

14 janeiro 2005

A Pessoa Esperada Não Vem Pra Realizar 3 Pedidos


Posted by Hello

*Costumamos pensar que uma determinada coisa vai resolver todo o resto dos problemas que permeiam nossa mente, nossas vidas... Nos agarramos com vigor a madeira que bóia como pesados náufragos em nossa própria maré de março, não significa que a madeira seja a única coisa que conseguimos alcançar, nem ao menos que somente ela tenha a propriedade de boiar... Não, simplesmente acreditamos que somente ela em específico irá nos salvar, cremos que ela tem esse poder confortante e sublime, acreditamos que seu empuxo é especial, como o fiel se apega ao terço sempre nos apegamos a alguém. Essa pessoa existe ao nosso redor, talvez ela nem saiba, mas você a ama, talvez ainda esteja esperando por ela, sua aparição é sonhada... Desejos se somam a cada dia, a cada ticket de cinema que te coloca solitário em frente à tela e ao ambiente frio, a cada passagem de ônibus que evidencia uma poltrona vazia ao teu lado, a cada noite chorada enquanto nós molhamos o travesseiro, quando uma lágrima transborda de um olho, passa ao outro e finalmente se perde no tecido pra nunca mais... Nos sentimos sós e tristes, achamos que essa pessoa nunca vai aparecer, mas uma coisa é certa ela sempre aparece... Talvez várias ou somente uma pra vida inteira... Mas ela sempre aparece. Se existir o amor você imediatamente projeta toda a eternidade junto dela, se for verdadeiro você fará coisas que nunca imaginou, se der errado... Bem, você dará conselhos com alta sentimentalidade e certeza (fundados em experiência própria), talvez você escreva um texto, um poema, talvez você se cale... Se der certo talvez você também escreva um texto ou poema, mas jamais poderá dar um bom conselho.
Quando encontramos essa pessoa entendemos que chegamos ao final do filme... Esperamos as letras subirem na retina de nossos corações, o final feliz onde todas as dores se desmaterializam... Mas as luzes ainda continuam apagadas por que? – Vamos, eu tenho um amor pra andar de mãos dadas! Fazer aquilo que via na tela, me untar com sua existência.
Somente aí percebemos que começa uma vida, estamos longe do final perfeito, nosso personagem atua extraordinariamente bem, em um eterno equilibrar de pesos na balança entre paixão e razão, aprende realmente a beijar de olhos fechados, torna-se infantil e ancião antes de dizer “eu te amo!...” o público vai ao delírio!! Alguns te odeiam e alguns te adoram, ele compra aquele bicho de pelúcia enorme pra que ela se lembre de dormir abraçadinha, pensando nele... Um amante infiltrado, alguém do qual não tem ciúmes algum, alguém que a abraça quando ele não pode fazer isso. Ela compra um cartão do Garffild e uma cara-metade que ele deve usar e defender com sua própria vida. Seus problemas continuam os mesmos, o que muda é que juntos eles são mais felizes no final do filme da vida, estarão quem sabe, velhos em óculos de grau lembrando do tempo em que viviam sós imaginando algo tão simples e tão certo como o amor.

Conversa curta sobre o mundo

Um dia, 2 amigos no interior da Bahia proseiam:
- Ô cumpade, tu ta ficando cego? Não viu aquilo ali?
- Ô amigo, tem coisa nesse mundo que nem é bom de se vê.

Riqueza torna vida mais difícil, dizem ricos dos EUA


VINICIUS ALBUQUERQUE
da Folha Online


A criação dos filhos, o pé-de-meia para a aposentadoria e as relações familiares tornam-se preocupações ainda maiores quando se tem muito dinheiro, segundo pesquisa divulgada hoje pela firma de gerenciamento de recursos PNC Advisors.Segundo a pesquisa, feita com 792 pessoas que têm entre US$ 1 milhão e US$ 10 milhões disponíveis para investimentos, a riqueza traz mais complicações para a vida, como ter de lidar com a possibilidade de os filhos crescerem mimados, cumprir obrigações filantrópicas e cuidados apropriados com pais idosos.Dos entrevistados, 49% disseram que temem que os filhos cresçam sentindo-se "privilegiados" e 44% acham que seus filhos são mimados. Metade dos entrevistados acha que os filhos de hoje não sabem o real valor de um dólar.
Mesmo que o dinheiro hoje torne a vida menos preocupante, 19% dos entrevistados com US$ 10 milhões em recursos disponíveis para investimento e 21% dos que têm entre US$ 1 milhão e US$ 4,9 milhões dizem que temem não ter dinheiro suficiente para custear o estilo de vida que querem ter na aposentadoria.As dificuldades em tratar da administração do patrimônio invadem até as relações familiares dos entrevistados, segundo a pesquisa da PNC.
A transferência de bens não é discutida nem mesmo com familiares, de acordo com 58% dos entrevistados; destes, 14% nem mesmo pensaram algum dia em ter essa conversa com sua família."Famílias ricas estão descobrindo que o dinheiro pode trazer desafios inesperados junto com as recompensas", disse a executiva-chefe da PNC Advisors, Joan Gulley. "Pessoas ricas precisam de muito mais que aconselhamento econômico. Elas querem lidar com o impacto do dinheiro em suas vidas pessoais e deixar um legado de que suas famílias possam se orgulhar."
Que vida dificil...

Dicionário Lúdico Brasileiro

Boca: 1. extremidade externa do coração; 2. pétala vermelha e perfumada que nasce do sorriso dos amantes; 3. porta de entrada do desejo; 4. órgão complementar do aparelho reprodutor; 5. invólucro de galáxias; 6. micro-empresa que produz ósculos; 7. local que deve permanecer vedado para que se evite a entrada de insetos dípteros; 8. motivo de desconfiança de Chapeuzinho Vermelho; 9. lar do ronco; 10. elemento anatômico indispensável ao disparo de cusparadas; 11. moldura de um quadro intitulado "alegria"; 12. maior símbolo do rock and roll; 13. quando de encontro a outra em velocidades superiores à da luz, estimuladora da produção de relâmpagos; 14. local onde se introduz endorfinas em forma de barras, no combate à melancolia; 15. motivo da existência das fábricas de batom; 16. misteriosa caverna da alma, de onde nunca se sabe que animal pode sair; 17. carne macia ao toque da língua; (Ex.: “De minha boca, amor meu, o que de pior podes receber é uma saraivada de brisas em forma de breves explosões sem nenhum rumor. " - in Coisas de Amor Largadas na Noite, E. Almeida)

Perfeito...

Copiei descaradamente daqui ó
Irrealidades

A estatistica não falha!

"Os psiquiatras atraves de um estudo estatistico que durou 7 anos dizem que: uma em cada quatro pessoas tem alguma deficiência mental... Fique de olho em três dos seus amigos. Se eles parecerem normais, o retardado é você!!"

10 janeiro 2005

Dicionário Lúdico Brasileiro

Felicidade: 1. invólucro onde se guardam sorrisos; 2. momento em que os ponteiros do relógio decidem dançar valsa; 3. líquido viscoso que escorrega por entre os dedos; 4. pedaço de gente com cheiro de talco; 5. movimento espontâneo dos cantos da boca em direção às orelhas; 6. sobrenome do azul; 7. olodum dentro do peito; 8. conjunto de círculos concêntricos em rubro e branco para onde se atiram dardos em forma de coração; 9. roçar de pés por sob o cobertor em noites com temperatura inferior a 18 graus; 10. tia-avó da alegria; 11. erva da qual se faz um chá afrodisíaco; 12. movimento elíptico do Sol em torno do ser amado; 13. nome dado à gota salgada que despenca dos olhos em dia de festa; 14. sensação de se ter feito o que se deveria ter feito; 15. oitava cor do arco-íris; 16. retângulo onde se inserem flagrantes registrados em nitrato de prata; 17. desejo súbito de voar; 18. distúrbio psicológico que causa avalanche de gargalhadas; 19. silêncio que se segue à trovoada; 20. exibição permanente da arcada dentária sem motivos justificados aos olhos dos desprovidos de inocência. (Ex.: “Vem, amor... Me dá um beijo e me arranha as costas, que hoje eu quero sentir o gosto da felicidade." - in Coisas de Amor Largadas na Noite, E. Almeida)

Brilhante..

Pesquei daqui ó Irrealidades

Classificados

Vendo ano usado, bissexto, ligeiramente amassado na borda superior e com pequenas manchas nos quatro primeiros meses. Desconto especial para portadores de Alzheimer. Acompanha um vidro pequeno de lágrimas, dezoito litros de suor, cinco caixas de sorrisos e dezenove pitadas de amarelo. Bônus especial: pacote de sonhos não realizados e sabonete de alecrim usado apenas uma vez. Motivo: compra de um ano zero quilômetro em doze parcelas. Aceito proposta de troca por anos futuros, desde que acompanhe certificado de garantia. Após a compra, não será possível a devolução. Tratar com o proprietário.