Ocorreu um erro neste gadget

Advertência!

O conteúdo deste blog pode, literalmente, projetar você para algum lugar no tempo-espaço...

Translate

18 novembro 2010

Sentidos, Tempo e Espaço...



Todo mundo muito ocupado
Por todo o mundo
Todo mundo seguindo em frente
Por todo lado
Em toda parte ou qualquer partida
Por todo espaço
Por toda vida

Todo mundo muito distante
Ali do lado
Todo mundo medindo atenção
Sem saber pra onde
Em todo canto
Em qualquer canção

A toda hora, a qualquer instante
Em qualquer andar
Em qualquer olhar
Em qualquer semblante

Em qualquer parada para abastecer
Em qualquer escada rolante
A subir e a descer
Todos muito ocupados
Com seus sentidos
Todos muito aguçados

Indecifráveis
Indefiníveis...

26 julho 2010

Eu Lírico


Quem ampara o poeta? Quando na face falta-lhe o riso, quando no coração falta-lhe a alegria risonha ou quando no olhar falta-lhe o brilho?


Quem dá de comer ao poeta? Será dele gerar suas próprias frases de efeito um ofício? suas citações próprias, se auto-projetar em sua própria sombra seria seu vício?

O poeta já não dorme... ferida de guerra que não sara, ferradura pesada aos pés de difícil locomoção, salvo ladeira à baixo na estrada.

Quem interpreta o papel do poeta? Quem canta suas odes? Quem escreve sua novela? Quem canta seu musical? Quem suporta suas dores dos amores perdidos?Que gênio realiza seus 3 pedidos?

Ser poeta é amparar o infinito, pois no fundo do âmago das dores vorazes, só a ele cabe entender-se, com a ajuda tão somente do espelho da alma, não há “nós” na primeira pessoa do plural da desilusão poética, não há outro alguém pra dividir o peso , só há o “eu”, o eu lírico.

23 julho 2010

Assim espero


Eu espero que você desde muito cedo saiba o que quer de sua vida, mesmo que talvez por um desconhecido azar, espero que exista alguém que te aconselhe numa direção do que fazer dela, e se mesmo assim você der muito azar, descubra que profissão seguir antes dos 25 anos.

Espero que nunca se apaixone por alguém que desconheça esse amor ou que o desmereça, agindo contigo de forma a te causar dor. Espero realmente que tu encontres alguém que te ame de verdade e nunca se sinta pedante de um sentimento afetivo alheio. Espero que teu amor nunca tenha vergonha de ti, que te ame pelo que você é e nunca te compare a outro alguém. Espero do fundo da alma que você nunca seja o plano B na vida de outrem.

Espero que ninguém te chame de dramático, espero que ninguém te ache grudento e que ninguém te ache um chato, você será feliz numa ordem inversamente proporcional ao número de vezes que sua presença gerar fastio as pessoas que querem te ver longe. Espero que você descubra rapidamente a arte de não incomodar pessoas, por que a arte de evitar pessoas já tem sido praticada há milênios antes do teu nascimento.

Espero que sua vida pessoal não seja assunto na mesa de jantar de estranhos, ou parentes muito próximos e incrivelmente distantes. Espero ardentemente que as tuas fraquezas não sejam motivo de piada e chacota para divertir uma platéia caseira, servindo de mau exemplo para a posteridade. Espero que teu carma encarnado e despido diante de tais olhos não dure mais que meia hora de horror.

Espero que você tenha uma adolescência bela, cheia de ritos de passagem e conquistas de liberdade e amadurecimento. Espero que você perca a virgindade de uma forma sadia e segura, espero que você nunca regrida em nada e sempre evolua, espero que os excessos te ensinem algo e que haja sempre um bom amigo pra te aconselhar como agir e ótimas lembranças pra se contar. Espero que as drogas te errem e que teus pecados sejam perdoados.

Espero que você seja proativo e tome antioxidantes e combata o teu stress. Espero que uma bala perdida nunca te ache, e que um carro pilotado por um bêbado nunca te amasse a carne fraca. Espero que teu coração seja acalentado e que você chame esse alguém de Deus mesmo não acreditando nele. Espero que a natureza te ajude a ser belo, pois amamos o belo, louvamos o belo e queremos somente o belo, a feiúra agride e o resto é hipocrisia.

Enfim espero que você não erre e não seja tão banal, espero que você viaje muito e conheça muitas culturas, espero que você tire um milhão de fotos, espero que você saia do seu mundo invisível formado pelos quatro pontos cardeais, do seu universo restrito, do seu cotidiano... Espero que você torça por um time campeão, se sinta em paz em alguma religião e que nenhuma doença do acaso te leve embora precocemente da vida.

Espero que você encontre prazer verdadeiro, que teus amigos te liguem ao telefone e apareçam sorrindo em tua casa. Espero que você tenha filhos fantásticos que te encham de orgulho exagerado, espero que teu trabalho seja gratificante e que te compre alguns belos sonhos, assim como espero que a paz caminhe em teus dias.

Espero que você não tenha problemas ao ponto de tomar diazepínicos, nem que tenha depressão, ou qualquer distúrbio ou transtorno... Espero-te em perfeita sanidade mental quando nos encontrarmos no paraíso. Espero que teu sonho nunca acabe.

Espero que a tristeza te abandone e que você nunca escreva poemas dos quais não consiga terminar, espero que o mundo te dê outra chance, espero que tua dor suma, que tuas chagas sejam curadas e que nunca mais chores antes de dormir. Espero que você n fique em pedaços, assim como estou agora, catando-se num longo desabafo.

03 abril 2010

Resumo


Apresentação de trabalho proposto como requisito para avaliação parcial da unidade I.
Link:

15 janeiro 2010

Todas as Desculpas



Todas as desculpas são desnecessárias, sem remorsos, hoje dor amanhã um espetáculo de placidez, ela me faz bem, ela me faz bem... Ela e às vezes a vida.

Minhas veias são amestradas, minhas pupilas dilatadas, sabor, furor, olhares trocados na escada rolante do shopping, vendedores de lojas de sapato, tênis mais que sapatos, mais que meias nos pés dos jovens ansiosos.

Família, futuro, parentes, paredes com marcas de rabiscos, sobrinhos com sorrisos hidrocor. Escova de cabelo, escova de dentes, dormir, acordar, receber um abraço gostoso! Gargarejar e sair correndo atrasado, olhar pro relógio apressando o tempo querendo encontrar alguém.

Todas as desculpas são desnecessárias se estivermos felizes ou esperançosos, toda dor vai pelo ralo de um banho demorado, toda dor some com aquela voz no telefone, ganhamos o dia se recebermos um certo beijo, um certo afago.
Nunca mais esqueci como amarrar meus cadarços do sapato, comer um sonho sentado no banco da praça... que dia bom! Meio sem graça mas bom, essa meia está apartada, chegando em casa quero andar descalço, e na tv passa um comercial de refrigerante enquanto eu estou com muita sede de viver.

08 janeiro 2010

De tudo que muda


Eu sei, todos no fundo sabem, somos tão inconstantes que nos tornamos acostumados a esquecer. Um não de quem esperávamos talvez sins sonoricamente regozijantes, uma mesa nua e vazia onde antes duas xícaras brincavam de quem esfriava primeiro o chá, um vaso azul aprisionava flores monocromaticamente indecisas onde agora só existe um chão vestido de piso quase novo. Num dia acordamos capitães de nossas vidas, noutro, nos deitamos passageiros de um destino desgovernado. Sorrindo percebemos a necessidade de não se guardar na memória nada que rime com saudade, pessoas fantásticas podem causar medo e fazer o estômago amargar a boca, por estas nos apaixonamos, estas parecem que nunca se apagam. E isso tudo importa, não como deveria, mas na maioria das vezes não conseguimos controlar a medida da importância que atribuímos às coisas que nos são por vida. Um dia eu vi a foto de uma garota, ela me guardou nos olhos quando nos falamos à distância pela primeira vez, era coisa de internet, esse mundo fascinante que minha mãe acredita ser um tipo de universo paralelo, e eu a tranquei em meu coração. A foto dela eu fiz parar em “Meus Documentos – Minha Imagens”, e o cheiro de leite que ela me confessou ter arrumou um colchão e um travesseiro e foi morar dentro de minhas saudades. Toda vez que essa saudade acordava eu corria e deixava meu olho lamber aquelas fotos presas lá em “Minhas imagens”, e então ela, a saudade, como os ursos nas estórias infantis que sempre adormeciam ao ouvir uma linda canção de ninar, voltava ao seu colchão rapidinho, e dormia toda cheia de roncos, de travesseiro entre as pernas e dedo na boca. Tenho a impressão que minhas saudades temem aquelas fotos enfeitadas de arco-íris em manhãs de sábado, mas enquanto humanos, somos tão variáveis. O cheiro de leite que ela parece ter eu nuca senti, e as fotos que dela tenho sempre mudam no outro dia, hoje elas não amanheceram enfeitadas de raios de sol, como de costume, mas isso é bom. Antes essa menina falava comigo me soprando as muitas cores que se misturavam em seu coração, agora suas palavras são tão cinzas que eu brinco de escrever nelas. Lembro que perto da minha mesa havia um vaso azul que aprisionava flores monocromaticamente indecisas, eu escrevi “saudade” no cinza da falta de cores que agora impera tão silenciosa em suas palavras...